sábado

Exercícios Baixa e Alta Idade Média

EXERCÍCIOS Espcex – Prof - Américo

01. (FUVEST) – Politicamente, o feudalismo se caracterizava pela:
a) atribuição apenas do Poder Executivo aos senhores de terras;
b) relação direta entre posse dos feudos e soberania, fragmentando-se o poder central;
c) relação de vassalagem e suserania entre mercadores e senhores feudais;
d) absoluta descentralização administrativa, com subordinação dos bispos aos senhores feudais;
e) existência da legislação específica a reger a vida de cada feudo.
02. (PUC) – A característica marcante do feudalismo, sob o ponto de vista político, foi o enfraquecimento do Estado enquanto instituição, porque:
a) a inexistência de um governo central forte contribuiu para a decadência e o empobrecimento da nobreza;
b) a prática do enfeudamento acabou por ampliar os feudos, enfraquecendo o poder político dos senhores;
c) a soberania estava vinculada a laços de ordem pessoal, tais como a fidelidade e a lealdade ao soberano;
d) a proteção pessoal dada pelo senhor feudal aos seus súditos onerava-lhe as rendas;
e) a competência política para centralizar o poder, reservada ao rei, advinha da origem divina da monarquia.

03. (UnB) – Assinale as alternativas corretas:
O feudalismo marca, como sistema, vários séculos da História européia:
(0) e surge a partir da evolução das estruturas romanas, rejeitando a cultura germânica invasora;
(1) e a vassalagem se consolida ao tempo do Império Carolíngio, também conhecido como Sagrado Império Romano-Germânico;
(2) e, nesse período, a Igreja de Roma firma sua ascendência espiritual e política na Europa Ocidental;
(3) e encontra seu auge na época da expansão feudal, onde se destacam as invasões da Inglaterra, da Península Ibérica e do Ocidente pela nobreza européia;
(4) e tem, como base da produção, a forma de trabalho denominada servidão ou escravidão;
(5) e, apesar de ser eminantemente agrário, com a produção voltada para o consumo local, permite o desenvolvimento, a partir do século IX, do comércio e da vida urbana;
(6) e sua decomposição torna-se irreversível a partir da grande crise do século XIV, caracterizada pela tríade “guerra-peste-fome”.
e) total mobilidade, representada pelos escravos e vilões.

04. (MACK) – Marque a correspondência errada:
a) corvéia: imposto em produtos;
b) talha: imposto em produtos;
c) banalidades: imposto em produtos;
d) vintém: imposto em produtos;
e) mão-morta: imposto em produtos.

05. (OSEC) – A corvéia, as banalidades e as prestações eram obrigações feudais pagas pelos servos respectivamente:
a) hospedando o senhor e sua comitiva; com o trabalho forçado na reserva senhorial; pelo uso das instalações do domínio;
b) com o trabalho forçado na reserva senhorial; pelo uso das instalações do domínio; hospedando o senhor feudal e sua comitiva;
c) pelo uso das instalações do domínio; hospedando o senhor e sua comitiva; com o trabalho forçado na reserva senhorial;
d) com o trabalho forçado na reserva senhorial; hospedando o senhor e sua comitiva; pelo uso das instalações do domínio;
e) pelo uso das instalações do domínio; com o trabalho forçado na reserva senhorial; hospedando o senhor e sua comitiva.

06. (ACAFE) – Assinale a alternativa CORRETA:
a) O sistema feudal europeu teve como base uma economia mercantil;
b) A característica básica dos feudos europeus foi a auto-suficiência em metais;
c) A unidade do sistema feudal – o feudo – era basicamente uma extensão de terras pertencentes a um senhor;
d) A classe dominante da sociedade feudal era constituída pelos senhores feudais e pelos burgueses;
e) O sistema de obrigações recíprocas entre soberanos e vassalos exigia que o vassalo executasse tarefas agrícolas na propriedade do senhor feudal.

07. (MACK) – Leia as seguintes afirmações:
I) A feudalização européia combinou elementos romanos como o colonato e germânicos como o comitatus e o beneficium.
II) A sociedade feudal era rigidamente hierarquizada e inexistia a mobilidade social.
III) A subsistência gerou a necessidade de se obter produtos de outras áreas não feudais e incentivou o comércio.
Assinale:
a) se todas as afirmações forem corretas;
b) se todas as afirmações forem incorretas;
c) se apenas as afirmações I e II forem corretas;
d) se apenas as afirmações I e III forem corretas;
e) se apenas as afirmações II e III forem corretas.

08. (ACAFE) – Com relação a Idade Média, é CORRETO afirmar:
a) o poder político era centralizado nas mãos dos reis, em torno dos quais se agrupavam os senhores feudais;
b) o modo de produção feudal, era baseado essencialmente na existência das relações servis de produção;
c) a economia baseava-se no comércio de artigos de luxo, provenientes do Oriente.
d) as talhas eram impostos que deveriam ser pagos pelos Suseranos aos Vassalos por serviços prestados;
e) no Feudalismo havia uma grande produção de excedentes que era comercializada com o Oriente.

09. (UFRN) – Os acontecimentos abaixo constituem as características principais do Feudalismo, EXCETO:
a) ausência de Poder centralizado;
b) as cidades perdem sua função econômica;
c) instauração da relação vassalagem/suserania;
d) comércio internacional intenso;
e) organização do trabalho com base na servidão.

10. (UnB) – Sobre o feudalismo podemos afirmar que:
(0) Na economia feudal não existia o comércio como atividade permanente e organizada: os produtos eram trocados diretamente, sem a utilização do dinheiro;
(1) No apogeu do feudalismo, a sociedade era formada pelo clero, nobreza e camponeses, e se caracterizava por grande mobilidade social;
(2) A relação de trabalho baseava-se na servidão: o servo entregava ao senhor feudal uma parte do que produzia e ainda trabalhava para ele em troca da proteção militar;
(3) Os camponeses constituíam a grande maioria da sociedade feudal;
(4) No feudalismo, o poder político estava concentrado na pessoa do rei.

11. (UnB) – Sobre o sistema feudal, típico da Europa Ocidental na Idade Média, pode afirmar-se que:
(0) Resultou da conjugação de elementos advindos da crise do Império Romano, como a decomposição do escravismo, e de influências germânicas, como o comitatus;
(1) Foi marcado, no plano econômico, pela produção de mercado, alta produtividade, acentuada especialização e divisão do trabalho;
(2) Caracterizou-se, em termos políticos, pela tendência à centralização do poder, exercido nacionalmente, com a submissão dos senhores à autoridade estatal;
(3) Teve no regime de trabalho servil seu elemento definidor, baseado nas obrigações costumeiras que o servo devia ao senhor;
(4) Apresentava nítida mobilidade social que invalidava, na prática, a distinção entre as duas classes sociais existentes: senhores e servos.


12. (PUC) – NÃO pode ser considerada como fator gerador do Renascimento Comercial ocorrido na Europa a partir do século XI:
a) a crise do modo de produção feudal, provocada pela super-exploração da mão-de-obra através das relações servis de produção;
b) a disponibilidade de mão-de-obra provocada, entre outros fatores, pelo crescimento demográfico a partir do século X;
c) a predominância cultural e ideológica da Igreja, com a valorização da vida extra-terrena, a condenação à usura e sua posição em relação ao “justo preço” das mercadorias;
d) a aquisição das “cartas de franquias”, que fortalecia e libertava a nascente burguesia das obrigações tributárias para com os senhores feudais;
e) o movimento cruzadista que, retratando a estrutura mental e religiosa do homem medieval, se estendeu entre os séculos XI e XIII.

13. (GV) – A crise do sistema feudal pode ser explicada:
a) a crise do sistema feudal pode ser explicada:
b) a partir da contradição do próprio sistema feudal, cujas relações de trabalho eram incompatíveis com a ampliação do mercado consumidor;
c) pelo desenvolvimento da economia de mercado capitalista, que liquidou a economia de consumo feudal;
d)pelo surgimento das cidades e a conseqüente atração os servos para os núcleos urbanos, despovoando o campo;
e) por causa da centralização do poder político, que liquidou o poder senhorial.

14. (GV) – Dentre as causas da desagregação da ordem econômica feudal, é possível mencionar:
a) a capitalização intensa realizada pelos artesãos medievais e a criação de grandes unidades industriais, as quais acabaram subvertendo a economia feudal;
b) o desinteresse da nobreza e do clero pela manutenção do feudalismo, pois esses setores se beneficiariam com o advento da sociedade baseada no lucro;
c) o surgimento das corporações de ofício e a substituição do “justo preço”, que restringia as possibilidades de lucro, pelo preço de mercado;
d) o revivescimento do comércio e a conseqüente circulação monetária, que abalaram a auto-suficiência da economia senhorial;
e) a substituição gradativa do trabalho escravo pelo trabalho assalariado dentro do feudo, o que criou condições para a constituição de um sistema de mercado dentro da própria unidade feudal.

15. (PUC) – NÃO pode ser considerada como fator gerador do Renascimento comercial, ocorrido na Europa a partir do século XI:
a) a crise do modo de produção feudal, provocada pela super-exploração da mão-de-obra através das relações servis de produção;
b) a disponibilidade de mão-de-obra provocada, entre outros fatores, pelo crescimento demográfico a partir do século X;
c) a predominância cultural e ideológica da Igreja, com a valorização da vida extra-terrena, a condenação à usura e sua posição em relação ao “justo preço” das mercadorias;
d) a aquisição das “cartas de franquias”, que fortalecia e libertava a nascente burguesia das obrigações tributárias para com os senhores feudais;
e) o movimento cruzadista que, retratando a estrutura mental e religiosa do homem medieval, se estendeu entre os séculos XI e XIII.

16. (GV) – “(...) Durante o século XII, toda a extensão da Flandres converteu-se em país de tecelões e batedores. O trabalho de lã, que até então se avia praticado somente nos campos, concentra-se nas aglomerações mercantis que se fundam por toda a parte e anima um comércio cujo progresso é incessante. Formam-se assim as incipientes manufaturas de Bruges, Ypres, Lille, Douai e Arras”.
Henri Pirenne
Podemos relacionar o conteúdo deste texto com:
a) as invasões bárbaras, que aceleraram a formação de “vilas” durante o Baixo Império Romano;
b) o Renascimento Comercial, que atingiu o interior da Europa a partir do século XI;
c) as feiras de comércio local e internacional que se desenvolveram no interior da Europa;
d) as mudanças econômicas européias, que exigiram adaptações e mudanças no regime feudal;
e) as ligas de mercadores que impulsionaram o desenvolvimento mercantil no Mar do Norte, a exemplo da Liga Hanseática.

17. (FMU) – Sobre as corporações de ofício, podemos dizer que:
I. A unidade de produção típica na cidade medieval era a oficina. Seu proprietário – o mestre-artesão – era também o dono da matéria-prima e das ferramentas. A produção urbana era organizada pelas corporações, as quais tinham por objetivo manter o equilíbrio entre a oferta e a procura;
II. Para auxiliar o mestre, havia os oficiais ou companheiros, geralmente filhos ou parentes próximos, que recebiam um salário pelo seu trabalho. A situação dos oficiais não era muito inferior à do mestre. Em seguida vinham os aprendizes, que ficavam diretamente subordinados ao mestre;
III. O desenvolvimento do mercado, do capital comercial e a farta mão-de-obra foram responsáveis pela desarticulação do sistema artesanal e das corporações de ofício. Os artesãos começaram a depender de um comerciante, que lhes fornecia a matéria-prima e os instrumentos de trabalho e lhes pagava um salário pela tarefa a ser cumprida.
Assinale a resposta de acordo com o código:
a) se I, II e III forem corretas;
b) se I, II e III forem incorretas;
c) se apenas I e II forem corretas;
d) se apenas I e III forem corretas;
e) se apenas II e III forem corretas.

17. As confrarias medievais eram:
a) organizações dedicadas ao controle de produção;
b) associações comerciais de cidades-livres;
c) agrupamentos de artífices e mercadores em torno de um santo padroeiro;
d) associações de mercadores maçons.



19. (UNIP) – “Em Paris, só pode ser ourives quem fizer o juramento e trabalhar segundo os usos e costumes dessa profissão.
Nenhum ourives pode trabalhar o ouro se não for com a melhor técnica, e o produto deve exceder em qualidade a todos os ouros trabalhados em outras terras.
Nenhum ourives pode ter mais que um aprendiz estrangeiro, que deverá ser parente seu ou de sua mulher, próximo ou distante, desde que lhe apraza”.
O texto acima refere-se às:
a) corporações de ofício na Baixa Idade Média;
b) organizações sindicais dos Tempos Modernos;
c) guildas de mercadores da Europa Oriental;
d) empresas familiares da Época Contemporânea;
e) ligas de comerciantes de Novgorod, na Rússia.

20. (PUC) – As “hansas”, surgidas na Alemanha a partir do século XII, tinham por principal objetivo:
a) defender os interesses comerciais das cidades alemãs;
b) impedir a expansão de doutrinas contrárias ao Catolicismo;
c) combater a influência política do capitalismo comercial;
d) divulgar a cultura monástica nos países setentrionais;
e) restaurar a economia alemã após a Guerra dos Trinta Anos.
21. (GV) – A Guerra dos Cem Anos (1337-1453), entre franceses e ingleses, teve como conseqüências principais:
a) a consolidação do poder monárquico na França e a expulsão quase completa dos ingleses do território francês;
b) a consolidação do poder monárquico na Inglaterra e a expulsão quase completa dos franceses do território inglês;
c) a incorporação de parte do território francês pela Inglaterra e o conseqüente enfraquecimento do poder real na França;
d) a incorporação de parte do território inglês pela França e o conseqüente enfraquecimento do poder real na Inglaterra;
e) a aliança entre franceses e flamengos e o fim da hegemonia inglesa sobre o comércio europeu.

22. (GV) – “No ano de Nosso Senhor de 1348, ocorreu em Florença, a mais bela cidade de toda a Itália, uma peste terrível que, seja devido à influencia dos planetas, ou seja como castigo de Deus aos nossos pecados, surgira alguns anos antes no Levante e, depois de passar de um lugar para outro, provocando grandes danos em toda parte, atingiu também o Ocidente.”
Boccaccio, in Decameron
Obviamente, o autor refere-se à Peste Negra, que devastou a Europa no século XIV e que trouxe como conseqüência imediata:
a) a conclusão da Guerra dos Trinta Anos;
b) novas técnicas de combate ao Rattus norvegicus e à Xenopsylla cheopis;
c) a interrupção da Primeira Cruzada;
d) o enfraquecimento do sistema feudal;
e) o fortalecimento do sistema feudal.

23. (TAUBATÉ) – A filosofia escolástica, que predomina na Baixa Idade Média, representou:
a) uma tentativa de integração dos ideais cristãos com a filosofia aristotélica;
b) a suprema do racionalismo sobre o misticismo;
c) a dominação da Fé pela Razão;
d) a dominação absoluta da Fé sobre a Razão.

24. (FUVEST) – A proliferação das universidades medievais, no século XIII, responsável por importantes transformações culturais, está relacionada:
a) ao Renascimento cultural promovido por Carlos Magno e pelo homens cultos que trouxe para sua Corte;
b) à invenção da imprensa, que possibilitou a reprodução dos livros a serem consultados por mestres e alunos;
c) à importância de se difundir o ensino do latim, língua utilizada pela Igreja para escrever tratados teológicos, cartas e livros;
d) ao crescimento do comércio, ao desenvolvimento das cidades e às aspirações de conhecimentos da burguesia;
e) à determinação de eliminar a ignorância e o analfabetismo da chamada Idade da Trevas.

25. (UnB) – Julgue os itens seguintes relativos à crise do Feudalismo.
(0) Após o ano 1000, a população européia cresce e, com ela, a marginalidade dos pobres e a belicosidade dos nobres: as Cruzadas e a Reconquista tornam-se possíveis.
(1) No século XIII as cidades adquirem o monopólio da cunhagem de moedas e organizam seus sistemas de arrecadação de recursos através da dívida pública.
(2) O poder real apoiou o particularismo (feudalismo) e o universalismo (papado), princípios esses necessários para o fortalecimento do rei sobre toda a nação.
(3) O desenvolvimento das atividades comerciais e urbanas tornaram indispensável a criação de escolas leigas que ensinassem a ler e a contar.
(4) A Crise da Retração – depressão violenta na economia européia – ocorrida no século XIV acentuou o processo de transformação do sistema feudal.

26. (UnB) – A Baixa Idade Média (séculos XII – XV) assinalou a transformação do sistema feudal, ocasião em que
(0) intensificaram-se as relações mercantis e as trocas monetárias;
(1) o aumento populacional, ampliando o mercado consumidor, explicitou as limitações da produção feudal, calcada na servidão;
(2) ocorreu um renascimento urbano, baseado no planejamento ordenado que resultou em satisfatórias condições de saneamento e de higiene das cidades;
(3) desenvolveram-se as Corporações de Ofício, organizando a produção rural, mas não intervindo em sua regulamentação;
(4) o comércio praticamente desapareceu do Mediterrâneo, substituído pelo Atlântico como eixo central da atividade mercantil.


gabarito - 1b,2c, 3 - 02/05/06. 4a,5b,6c,7a 8b,9d, 10 - 00/02/03, 11 - 00/03, 12c, 13b, 14d, 15c, 16b, 17b, 18c, 19a, 20a, 21a, 22d, 23a, 24d, 25 - 00/01/03/04 , 26 - 00/01

4 comentários:

Marcelo Lima disse...

Pessoal a 12 e a 15 estão repetidas, e a 13 a letra "A)" também é o titulo.
Fora esses clássicos erros, creio que nao tenha mais.
Ae Américo ficou legal a apostila!

João Roberto disse...

Muito bom Prof. Américo!

mauricio disse...

é isso aew!!!!
papirandoooo..........

hollifield disse...

So ta faltando o gabarito!!!!!!!!!!!
e professor, colocar tbm as outras apresentacoes de power point!
Parabens pelo blog